Criptomoedas – Um roteiro prático. Parte 3 – Como ganhar Dogecoins

Realmente existem sites que dão dinheiro?

Numa resposta rápida: SIM. São sites com muitas propagandas. E os donos desses sites ganham dinheiro dos anunciantes baseado em número de visualizações e número de cliques. São conhecidos pelo nome de faucets.

Então eles remuneram com uma fração do que ganham para cada publicação da propaganda. Normalmente pagam muito pouco, algo em torno de um centavo de dólar por hora.

wedogeEntão definitivamente não dá para viver de cliques e visualizações. E nem tente programar um robô para fazer isso. Os sistemas anti-bots já estão bastante evoluídos para detectar possíveis fraudes.

Continue lendo “Criptomoedas – Um roteiro prático. Parte 3 – Como ganhar Dogecoins”

Criptomoedas – Um roteiro prático. Parte 2 – Criando a sua carteira virtual

 Criando sua primeira carteira

Se vocês viram o vídeo e o site que indiquei acima, já devem saber que existem dois tipos de carteiras de criptomoedas:

  • On line, mantida por sites de terceiros. Esse tipo não é recomendado caso você possua uma soma elevada de dinheiro. Pois esses sites são alvos constantes de ataques e não foram poucos os casos de vazamento de informações com perda financeira dos clientes.
  • Off line. Nesse caso você armazena sua própria carteira no seu próprio desktop ou celular. A única preocupação nesse caso é manter backups da sua carteira, pois se perder sua carteira digital, todo seu dinheiro vai junto com ela.

No nosso exemplo, vamos usar a carteira 0nline, por ser mais fácil e rápido. E o nosso objetivo não é armazenar fortunas nela e sim conhecer o funcionamento da rede.

A moeda escolhida é a Dogechain:

dogecoin-300

Continue lendo “Criptomoedas – Um roteiro prático. Parte 2 – Criando a sua carteira virtual”

Criptomoedas – Um roteiro prático. Parte 1 – Introdução

Criptomoedas

cryptocurrency_featureA primeira vez que ouvi falar em criptomoedas foi no curso on line do Coursera, que citei no meu artigo sobre MOOC. No curso, de 2013, o instrutor já sugeria a utilização de bitcoins em transações eletrônicas. Na época cheguei a criar minha carteira de bitcoins, por exigência do curso, mas parei nisso. Não fiz uma transação sequer.

Mas, há alguns meses, o assunto veio a tona num grupo do Telegram no qual discutimos sobre Economia e política e acabei me inscrevendo nesse canal do Telegram sobre Bitcoin.

Tendo despertado meu interesse, há algumas semanas comecei a pesquisar mais a fundo esse assunto e como achei bastante interessante, resolvi compartilhar com vocês.

Continue lendo “Criptomoedas – Um roteiro prático. Parte 1 – Introdução”